Gilda: A única


Várzea Grande, 17 de Fevereiro de 2009. 01:50AM.


...Mais um post inútil...




e nesse ultimo fim de semana, mais 2 grandioso filmes retirados de minha “Lista da Vergonha” (Obrigado TCM e Telecine Cult!). Lembro-me das inúmeras listas de “melhores de todos os tempos” e de varias criticas cheia de elogios a respeito dos longas Gilda(idem, 1946) e Pacto de Sangue (Double Indemnity, 1944). alem de ambos serem, de fato exemplares, ainda ajudaram a modelar um dos tipos de personagem mais famosos do cinema: a indefectível Femme Fatale; e nesse quesito, Gilda é praticamente insuperável. No filme de Charles Vidor (Os Amores de Carmem, 1948), a excelente Rita Haywort interpreta uma mulher casada com um dono de Cassino. Ela só não esperava que Johnny Farell, um antigo amor, fosse melhor amigo e braço-direito nos negocios do marido. A todo momento, nota-se não haver nenhum tipo de cordialismo entre o trio principal. Com sua inteligencia, senso de humor cruel e principalmente seu poder de sedução, a personagem-título consegue tudo e todos sem esforço. Nunca houve uma mulher como Gilda. Nunca houve uma mulher como Gilda?!
Detalhe inútil n° 001: pesquise sobre o filme no IMDB. Incrivelmente esnobado pela critica especializada na época. Vai entender...
confira um clipe do filme aqui





Em Pacto de Sangue, presenciamos um plano nefasto arquitetado por Phillys Dietritchson (Barbara Stanwick, em atuação que lhe valeu uma indicação da academia), mulher casada, e seu amante, o corretor de seguros Walter Neff (Fred McMurray). Aparentemente espertos e avarentos ao extremo, o casal esquematiza uma maneira de matar o marido de Phillys p/ assim se apossar de uma apólice de seguros, de valor 2X maior que o pago (dupla indenização, como o título sugere), colocando em definitivo um ponto final na mediocridade e marasmo de suas vidas. Tudo corria p/ a vitoria certa, até o momento que um dos chefes da seguradora começa a desconfiar do fato: poderia o Sr. Dietrichson ter sofrido um acidente de trem?. Reconheço que preciso me aprofundar mais nesse sub-gênero de imenso significado p/ o cinema (e em um monte de outros, né Jeniss :P). Pacto de Sangue foi indicado p/ 7 prêmios da academia contudo não levou nenhum. Mas ganhar ou não uma indicação da critica especializada pouco comprova a excelência de uma obra (ou não!). É bem provável que se perguntar a qualquer cinéfilo dentre os cinco nomeados da época, o qual se lembra com mais facilidade ou mesmo o melhor, certamente a maioria dirá que é o policial-Noir do talentosíssimo Billy Wilder (A Montanha dos Sete Abutres, 1951), contrariando uma provável resposta (O Bom Pastor, Oscar de melhor filme). Pacto de Sangue mostra com notável perfeição uma historia onde ganância, frieza, obscuridade – aqui não só representado pela pisque como também na ambientação – e falta de caráter aparentam ser os princípios básicos p/ a busca de sucesso pessoal.




Retirado dois filmes da fraca seleção de dvds feita dias atrás: o Vale dos Lobos (Kurtlar Vadisi – Irak, 2006) e O Testamento (Montana Sky, 2007). e mais uma vez, expectativas confirmadas: ambos inúteis (sem o parenteses mesmo!) e esquecíveis. E pensar que Billy Zane (referente ao 1° citado) tinha papel de grande destaque no “Rei das Bilheterias” Titanic(1997). O mundo dá voltas...

provavelmente notaram (ou não!) que mudei alguns trecos no Layout do blog. Gostaria mesmo era de trocar a capa da pagina. Até fiz alguns testes – todos sem sucesso. De hoje em diante passarei menos tempo no Orkut (deve ser a 14154842165462359415 vez que falo isso)e mais comentando posts dos camaradas blogueiros, alem, é claro, arranjar assuntos (in)úteis p/ escrever aqui. Alias, qual será a causa/razão/motivo/circunstância da birra de alguns da imprensa com relação ao Universo Blog? Amanha estarei de volta. Uma ótima terça a todos e até mais.


Ah sim!p/ quem quiser, taí meu e-mail:




endereço longo. Deve ser por isso que tenho poucos contatos no MSN.


:P
:P
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...